Juliana perdendo o cabaço



Toda donzela tem um pai que é uma fera.
Juliana tinha um pai que era bebum. E por ser bebum era também doente, exigindo constantes cuidados.
Juliana era minha vizinha e a gente conversava pelos muros dos fundos. Descobri que ela tinha dezenove anos e nunca tinha namorado firme. Convidava-a para sair e ela me explicava porque nunca tinha namorado e nem podia sair.
- Tenho de cuidar do meu pai - ela dizia. - O único tempo que me sobra é quando vou para a escola e minha irmã cuida dele.
E a gente estava lá, conversando por cima do muro, quando o pai dela chamava. E ela tinha de correr para ver o que ele queria.
- Quer dizer que não tem mesmo jeito da gente sair? - eu insistia.
- Eu sinto muito - ela dizia. - Bem que eu gostaria, mas...
Então um dia pulei o muro da sua casa. Foi num dia em que fizeram uma festinha para a sua irmã caçula e Juliana estava muito bonita, com um vestido longo de alças. Fui na festa por alguns minutos e fiquei olhando para Juliana, ou melhor, fiquei olhando para os peitos de Juliana. Não eram grandões mas sim bem torneados, firmes, sobressaindo-se por debaixo do vestido.
- Quando acabar a festa eu vou estar lá no quintal - eu disse.
E lá pelas onze e tantas vi que o movimento na casa cessava, que as luzes se apagavam e que Juliana saía para o quintal.
Pulei o muro. Nossa vontade um do outro era tão grande que logo caímos nos beijos e eu ataquei seus peitos, baixando a alça do seu vestido...
- JULIANA !!! - berrou uma voz cavernosa de lá de dentro da casa. Era seu pai, querendo ir ao banheiro.
Quase uma semana depois, de noitinha, pulei novamente o muro e encontrei-me com Juliana na lavanderia da sua casa. Nos beijamos, abraçamos, pedi a ela que saísse comigo, ergui sua blusa. Estava de sutiã mas fui puxando-o para baixo, descobrindo seus peitos.
- JULIANA !!!
Cheguei a pensar em desistir de Juliana. Não era possível que seu pai tinha de estar sempre a estragar nossos momentos.
Mas não desisti. Combinamos que ela é quem pularia o muro num dia qualquer, quando ele estivesse dormindo, coisa que o homem sempre fazia, na parte da tarde, hora em que eu estava em casa e que, para ajudar, também não havia mais ninguém na casa de Juliana.
Esperei que ela aparecesse e logo a vi, aproximando-se do muro. Coloquei uma escada. Ela subiu e, depois que mudei a escada, desceu do meu lado.
Carreguei-a para a minha sala e começamos a nos beijar.
- Tire a blusa - pedi. - Deixa eu ver seus peitos.
- Tá bom! - ela falou. - Mas só a blusa. Não posso ficar nua aqui, meu pai pode chamar, pode chegar alguém da sua família.
- Pare de falar e tire a blusa - quase gritei. - Mas por que você vem sempre se sutiã? - perguntei, quando ela começou a erguer a blusa por sobre a cabeça.
Eu falava e já ia levando as mãos, pegando...
- JULIANA !!!
A coitada da menina teve de sair correndo, vestindo a camiseta às pressas, segurando o sutiã na mão. Pulou o muro, sem escada sem nada, jogou o sutiã no tanque da lavanderia e foi ver o que o pai queria,
- Assim não dá! - eu disse a ela, no outro dia, por cima do muro.
E ela quase chorou, dizendo que queria ficar comigo mas que precisava cuidar do pai. Falei então que se ela quisesse teria dado um jeito.
- Até parece que ele adivinha - falou. - Sempre me chama na hora que estou com você.
- Mas de que adianta você estar comigo? A gente não pode nem trocar uns beijos.
- Eu sei - ela disse. Minha vontade era ficar bastante tempo com você... eu queria... eu queria transar com você.
- Verdade? - perguntei, pois não pensava que poderíamos chegar a esse ponto.
- Verdade! - ela disse. - Eu nunca transei.
Foi então que fiquei alucinado, tentando achar um jeito de tirar Juliana daquela casa ou então...
- Dá esse remédio para ele - eu disse, alguns dias depois.
- Mas não é perigoso?
- Claro que não! É só um calmante. Vai fazer ele dormir feito uma pedra e, enquanto isso...
Depois que Juliana deu o sinal, pulei o muro e fui ter com ela na sua casa, no seu quartinho que ficava nos fundos e estava com o colchão no chão, pois sua cama havia quebrado.
Fui logo erguendo sua camiseta, metendo as mãos e a boca em seus seios.
- JULIANA !!! - gritou a voz cavernosa.
Juliana assustou-se e já ia se levantando. Segurei-a.
- Calma! - disse. Espera só mais um pouco.
- J-U-L-I-A-N-A - murmurou uma voz pastosa.
- Ele está passando mal - falou Juliana, mais uma vez querendo se levantar.
- Não está não! - eu disse. Só vai é dormir feito uma pedra.
- J...U...L...I... A...N...A ! ! !
A voz cavernosa mal era ouvida.
Juliana me abraçava forte, cheia de ansiedade.
Fomos tirando a roupa. Primeiro ela, sua calça, sua calcinha, a camiseta, o sutiã. Depois eu.
- Eu nem acredito - ela disse.
- Não acredita no quê? - perguntei.
- Eu vou transar.
- Vai! - falei. Vai transar bem gostoso.
- Se você soubesse a vontade que tenho. Ela disse, ajeitando o seu corpo na cama, abrindo as pernas.
- Eu sei. Claro que sei. Mas eu vou matar sua vontade agora.
- J.....U....L...
- Deixa ele gritar à vontade - ela falou, puxando-me para cima, pegando meu pau e colocando em sua xoxota. Agora não quero nem saber que tenho pai.
O homem ainda tentou gritar mais algumas vezes, mas os gritos de Juliana não deixavam ouvir nada.
Eu ia invadindo sua vagina, rasgando sua carne e ela ia ficando cada vez mais louca, alucinada, querendo mais fundo, mais fundo. Gritava. Mexia, pedia para eu fazer gostoso, para comer gostoso.
A xoxota de Juliana era um vulcão expelindo lava e meu pau era a tocha que fazia o vulcão acender mais ainda.
Juliana perdeu a virgindade. Adormeceu ao meu lado depois de tanto prazer. Quando acordou, estava assustada e foi correndo ver o pai, temendo que ele houvesse morrido.
Mas o homem roncava feito um porco, sob o efeito do calmante.
- Você tem mais calmante para a gente usar amanhã? - perguntou ela, enquanto vestia sua roupa e a minha e, depois, enquanto olhava a vizinhança para eu poder pular o muro.
Foto 1 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço

Foto 2 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço

Foto 3 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço

Foto 4 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


16827 - Talita, ainda era virgem...? - Categoria: Heterosexual - Votos: 3
16828 - Comi a esposa do meu melhor amigo! - Categoria: Heterosexual - Votos: 2
16837 - COMI MINHA MELHOR AMIGA - Categoria: Fantasias - Votos: 0
16890 - Uma garota de lindas pernas - Categoria: Heterosexual - Votos: 0
16942 - O encontro - Categoria: Heterosexual - Votos: 1
16944 - Arrombei minha Cunhada - Categoria: Heterosexual - Votos: 2
16960 - Minha fantasia - Categoria: Fantasias - Votos: 1
16961 - A Garota do Prédio - Categoria: Fantasias - Votos: 1
16962 - Professor e Aluna ! - Categoria: Fetiches - Votos: 0
16964 - Comendo a cunhadinha gostosa - Categoria: Fantasias - Votos: 0

Ficha do conto

Foto Perfil quemario
quemario

Nome do conto:
Juliana perdendo o cabaço

Codigo do conto:
16809

Categoria:
Heterosexual

Data da Publicação:
17/04/2012

Quant.de Votos:
1

Quant.de Fotos:
4


Online porn video at mobile phone


que ver conto erotico imao es piano imao novinha peladaContos gay( Meu pai)contactpromo.ru contossomos um casal bissexual maduro e queremos outro casal bissexual também maduro acima de 48 anos em Nova Friburgo e regiaochorou na pica contocomendo cu com sonifero contoscontos eroticos me comeraoo no onibus quando eubera novinhacontos eroticos armei para minha esposautimoscontospornocontoincestosconto erotico com mulher taradabucetas menstruando de tanto fudercontos eroticos madura meu cu gosta de piça ggconto erotico quando vi a rola pela primeira vezele a enrabala e ela a cagar.se pornocomtus eroticos corno pedie pra fuder com amigo delisogragostosafudenoconto erotico estruparao meu cu no onibusConto erotico sou madura e genromeu marido senpre quiz ser corno porno realcontos eróticos gay guarda florestalContos erotico madrasta pedindo o enteado pirocudo ver os pentelhoscontos eroticos loucura da minha mulhercontos eroticodo no carrofilho que fode na mãe o pai estando aiincesto mae e filho fodem pela primeira vez contosfilmes de pornô comendo as bucetas das reconhecidas na cabine eróticafomos no clube so pra ver mas ela deu pro pauzudoConto erotico fiz minha prima virgem chora no meu pau 27cmcontos eroticos gay meu tio de dezessete me comeu dormindo quando eu tinha oito anoscontoeroticopauenormeluta porno gayentiadacontoeroticoquadrinho erotico kellycu da prima conto eroticovidio porno mamazinha bebada dormil d fio dental comi o cu delagorotinho tetudo contos eróticosa novinha n imaginava que pica do venho era grandeconto erótico garotão bombado da farmácia do pau grossoconto minha filha e eu gostosaconto mulher sede a chantagem de garoto tranzarfotos de mulher da bunda arriadacontoerotico baby blizminha erma. novinha xupau meu pauzaoirmã conto eróticowwwcontoeroticotiacontos com fotoscfm casadas[email protected]contos porno depois da Rave dei pra dois e o marido bebado deixouimagenrs+atrevidas++srxo+petsonascontos eroticos meninas jogando volei nuasnetinh axupa vovó sexo vovó adormecidominha mulher deu o c* para Ganhar promoção no exército contos eróticoso primeiro chifre do meu maridoMassagem masculino contosconto gay me colocaram pra chuparminha mãe filmou meu pai me comendoultimos contos sadonegona ajuda astrupar novinhasasistir um pequeno de morena gostosa rebolando no paucont porno meu namorado trazado comigo i minha amigadesvirginado contovelha com novinho menor contos eróticoscontos porno: titioe eu gaymilf macia boazudaperdi as preguinhas do cu quando era pequenadormi pelado com milha mae i fiz sexocontos cu pro filho e amigosconto um corno quase perfeitohttp://contactpromo.ru/conto/5708/817644/sem-do-na-mulher-do-amigo.htmlmerens chupando fudendo calcinha molhadaPorno contos familhas incestuosas boquinas e maozinhas das suas meninas delicia dos paisO tio da minha prima me fodeu conto eróticoContos picantes animalescosContos eroticos gay ex presidiárioContos erotico mulher puta e corno trouxacalcinhas de npvinhas meladimhasContos e fotos de travestis pauzudasconto erótico pai pediuo cu do fiho