Juliana perdendo o cabaço



Toda donzela tem um pai que é uma fera.
Juliana tinha um pai que era bebum. E por ser bebum era também doente, exigindo constantes cuidados.
Juliana era minha vizinha e a gente conversava pelos muros dos fundos. Descobri que ela tinha dezenove anos e nunca tinha namorado firme. Convidava-a para sair e ela me explicava porque nunca tinha namorado e nem podia sair.
- Tenho de cuidar do meu pai - ela dizia. - O único tempo que me sobra é quando vou para a escola e minha irmã cuida dele.
E a gente estava lá, conversando por cima do muro, quando o pai dela chamava. E ela tinha de correr para ver o que ele queria.
- Quer dizer que não tem mesmo jeito da gente sair? - eu insistia.
- Eu sinto muito - ela dizia. - Bem que eu gostaria, mas...
Então um dia pulei o muro da sua casa. Foi num dia em que fizeram uma festinha para a sua irmã caçula e Juliana estava muito bonita, com um vestido longo de alças. Fui na festa por alguns minutos e fiquei olhando para Juliana, ou melhor, fiquei olhando para os peitos de Juliana. Não eram grandões mas sim bem torneados, firmes, sobressaindo-se por debaixo do vestido.
- Quando acabar a festa eu vou estar lá no quintal - eu disse.
E lá pelas onze e tantas vi que o movimento na casa cessava, que as luzes se apagavam e que Juliana saía para o quintal.
Pulei o muro. Nossa vontade um do outro era tão grande que logo caímos nos beijos e eu ataquei seus peitos, baixando a alça do seu vestido...
- JULIANA !!! - berrou uma voz cavernosa de lá de dentro da casa. Era seu pai, querendo ir ao banheiro.
Quase uma semana depois, de noitinha, pulei novamente o muro e encontrei-me com Juliana na lavanderia da sua casa. Nos beijamos, abraçamos, pedi a ela que saísse comigo, ergui sua blusa. Estava de sutiã mas fui puxando-o para baixo, descobrindo seus peitos.
- JULIANA !!!
Cheguei a pensar em desistir de Juliana. Não era possível que seu pai tinha de estar sempre a estragar nossos momentos.
Mas não desisti. Combinamos que ela é quem pularia o muro num dia qualquer, quando ele estivesse dormindo, coisa que o homem sempre fazia, na parte da tarde, hora em que eu estava em casa e que, para ajudar, também não havia mais ninguém na casa de Juliana.
Esperei que ela aparecesse e logo a vi, aproximando-se do muro. Coloquei uma escada. Ela subiu e, depois que mudei a escada, desceu do meu lado.
Carreguei-a para a minha sala e começamos a nos beijar.
- Tire a blusa - pedi. - Deixa eu ver seus peitos.
- Tá bom! - ela falou. - Mas só a blusa. Não posso ficar nua aqui, meu pai pode chamar, pode chegar alguém da sua família.
- Pare de falar e tire a blusa - quase gritei. - Mas por que você vem sempre se sutiã? - perguntei, quando ela começou a erguer a blusa por sobre a cabeça.
Eu falava e já ia levando as mãos, pegando...
- JULIANA !!!
A coitada da menina teve de sair correndo, vestindo a camiseta às pressas, segurando o sutiã na mão. Pulou o muro, sem escada sem nada, jogou o sutiã no tanque da lavanderia e foi ver o que o pai queria,
- Assim não dá! - eu disse a ela, no outro dia, por cima do muro.
E ela quase chorou, dizendo que queria ficar comigo mas que precisava cuidar do pai. Falei então que se ela quisesse teria dado um jeito.
- Até parece que ele adivinha - falou. - Sempre me chama na hora que estou com você.
- Mas de que adianta você estar comigo? A gente não pode nem trocar uns beijos.
- Eu sei - ela disse. Minha vontade era ficar bastante tempo com você... eu queria... eu queria transar com você.
- Verdade? - perguntei, pois não pensava que poderíamos chegar a esse ponto.
- Verdade! - ela disse. - Eu nunca transei.
Foi então que fiquei alucinado, tentando achar um jeito de tirar Juliana daquela casa ou então...
- Dá esse remédio para ele - eu disse, alguns dias depois.
- Mas não é perigoso?
- Claro que não! É só um calmante. Vai fazer ele dormir feito uma pedra e, enquanto isso...
Depois que Juliana deu o sinal, pulei o muro e fui ter com ela na sua casa, no seu quartinho que ficava nos fundos e estava com o colchão no chão, pois sua cama havia quebrado.
Fui logo erguendo sua camiseta, metendo as mãos e a boca em seus seios.
- JULIANA !!! - gritou a voz cavernosa.
Juliana assustou-se e já ia se levantando. Segurei-a.
- Calma! - disse. Espera só mais um pouco.
- J-U-L-I-A-N-A - murmurou uma voz pastosa.
- Ele está passando mal - falou Juliana, mais uma vez querendo se levantar.
- Não está não! - eu disse. Só vai é dormir feito uma pedra.
- J...U...L...I... A...N...A ! ! !
A voz cavernosa mal era ouvida.
Juliana me abraçava forte, cheia de ansiedade.
Fomos tirando a roupa. Primeiro ela, sua calça, sua calcinha, a camiseta, o sutiã. Depois eu.
- Eu nem acredito - ela disse.
- Não acredita no quê? - perguntei.
- Eu vou transar.
- Vai! - falei. Vai transar bem gostoso.
- Se você soubesse a vontade que tenho. Ela disse, ajeitando o seu corpo na cama, abrindo as pernas.
- Eu sei. Claro que sei. Mas eu vou matar sua vontade agora.
- J.....U....L...
- Deixa ele gritar à vontade - ela falou, puxando-me para cima, pegando meu pau e colocando em sua xoxota. Agora não quero nem saber que tenho pai.
O homem ainda tentou gritar mais algumas vezes, mas os gritos de Juliana não deixavam ouvir nada.
Eu ia invadindo sua vagina, rasgando sua carne e ela ia ficando cada vez mais louca, alucinada, querendo mais fundo, mais fundo. Gritava. Mexia, pedia para eu fazer gostoso, para comer gostoso.
A xoxota de Juliana era um vulcão expelindo lava e meu pau era a tocha que fazia o vulcão acender mais ainda.
Juliana perdeu a virgindade. Adormeceu ao meu lado depois de tanto prazer. Quando acordou, estava assustada e foi correndo ver o pai, temendo que ele houvesse morrido.
Mas o homem roncava feito um porco, sob o efeito do calmante.
- Você tem mais calmante para a gente usar amanhã? - perguntou ela, enquanto vestia sua roupa e a minha e, depois, enquanto olhava a vizinhança para eu poder pular o muro.
Foto 1 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço

Foto 2 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço

Foto 3 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço

Foto 4 do Conto erotico: Juliana perdendo o cabaço


Faca o seu login para poder votar neste conto.


Faca o seu login para poder recomendar esse conto para seus amigos.


Faca o seu login para adicionar esse conto como seu favorito.





Atenção! Faca o seu login para poder comentar este conto.


Contos enviados pelo mesmo autor


16827 - Talita, ainda era virgem...? - Categoria: Heterosexual - Votos: 3
16828 - Comi a esposa do meu melhor amigo! - Categoria: Heterosexual - Votos: 2
16837 - COMI MINHA MELHOR AMIGA - Categoria: Fantasias - Votos: 0
16890 - Uma garota de lindas pernas - Categoria: Heterosexual - Votos: 0
16942 - O encontro - Categoria: Heterosexual - Votos: 1
16944 - Arrombei minha Cunhada - Categoria: Heterosexual - Votos: 2
16960 - Minha fantasia - Categoria: Fantasias - Votos: 1
16961 - A Garota do Prédio - Categoria: Fantasias - Votos: 1
16962 - Professor e Aluna ! - Categoria: Fetiches - Votos: 0
16964 - Comendo a cunhadinha gostosa - Categoria: Fantasias - Votos: 0

Ficha do conto

Foto Perfil quemario
quemario

Nome do conto:
Juliana perdendo o cabaço

Codigo do conto:
16809

Categoria:
Heterosexual

Data da Publicação:
17/04/2012

Quant.de Votos:
1

Quant.de Fotos:
4


Online porn video at mobile phone


Conto erotico primo vendo a bucetinha da primaRasgando o cu da donzela contoscontos eroticos garotovirei o putinho do bairro conto gayCOMENDO O CU DO NOVINHO GOSTOSOConto erotico ela arriou a calcinha e ele chupouContos eróticos foda de sobrinha que foi fodida pelo tio e o primo ao mesmo tempotitio mim encochou no onibos lotado vidios pornomeu pedreiro chupou meus seiosconto erótico hard bdsmcontos de vovos safadas cachorrasContos de cedezinhas sendi iniciadacontos eroticos com viuvas ricas e sedutorassexo lugar publico conto eroticonegan meteno no cu novinhaconto erotico desejada e enlouquecida com manuela 1-2-8porno diarista abuzou contosC.eroticos de baixo do edredon com a enteada peitudacontos eroticos travesti com empregadaconto erotico gay: transando com indio bonito e dotadoarreganhei mnha buceta pra 3machosGozando estralado xnxxconto gay dormia todo dia a pica do irmão na boca. eea uma delicia. mamava antes de dormircontos incesto escaldantes mae e filhoconto erótico marstubei minha filhaMamae q surpresa me dwu o cuvideo eroticotraindo o namorado com o amigoporquinha sadomasoquismoporno gay transando grudadinhos na camacontos gay ,estuprado pelo mendigo velhoCummeno a irmã durmino junto com as amigasmenina na pracinha e o titio contos eroticoscontos erótico com fotos a bunda da costureiraconto erotico mendigo estrupadameu filho tem uma rola impressionante contos de incesto femininourruei com a rola preta no rabo.contox vidio comtos eroticos eu minha mulher e minha irmãfamília parte 1 contos eróticoscontos erotico buceta da irmã do amigocontos eroticos vizinha crente kkkkcasal inversão contoMarido.duvido que esposa daria pra.pauzudo e viro corno videocontos fui passear com meu namorado Luiz em casa da tia e ele comeu meu cu.conto eroticos eu fiquei os cinco dias andado com dificuldade depois de da o cuconto erotico com foto mae e filhocontos eroticos janela indiscreta contos picantes com animais comendo a cachorrautimoscontosmeu marido medividiu com seus amigos contos eróticosquadrinhos gay porncontos de incesto odedocontoeroticodfFilha putinha da mulekada contoconto erotico espiei a visinha casada rapando a bucetaconto eroticoNovinha deixando o primo loukoContosIncestos no sítio do tiocontos de sexo forçado com velhos taradoscontos eroticos me exibindo para instalador calcinhahormonios femininos conto eroticomeu sogrou chupou minha buceta peludinhalevei 30cm do rola de meu padrato xvideo gay Conto erotico de bucetinha apertadaConto eroteco emgravidei minha maecontos a cdf cabacinhoO pirocão do sobrinho, contos eroticoscontos eroticos fudendo o rabinho da minha avoporno mae quadrinhoprima sendo brechada no quartocontodebucetonasurumba conto eroticocontoseroticosdpvaginalconto erotico a excurssao 3porno gay transando grudadinhos na cama